Arias
Duos...
Óperas
Cantatas
Compositoras
Switch to English

Ária: Prendi, per me sei libero

Compositor: Donizetti Gaetano

Ópera: L'elisir d'amore

Papel: Adina ()

Descarga música impresa gratis: "Prendi, per me sei libero" PDF
ADINA
Prendi; per me sei libero:
Resta nel suol natio,
Non v'ha destin sì rio,
Che non si cangi un dì.
Gli porge il contratto
Qui, dove tutti t'amano,
Saggio, amoroso, onesto,
Sempre scontento e mesto
No, non sarai così.
Wikipedia
L'elisir d'amore é uma ópera-bufa em dois atos de Gaetano Donizetti com libreto de Felice Romani. Estreou no Teatro della Canobbiana de Milão, Itália em 12 de maio de 1832. A obra foi criada em duas semanas, sendo uma semana para a poesia e outra para a música, a pedido do gerente do teatro, que precisava de uma peça com urgência após o compositor originalmente contratado não ter entregue a obra prometida.
A ópera passa-se numa pequena aldeia vasca no final do século XVIII.
Nemorino, está apaixonado por Adina, mas esta não lhe dá crédito. Ao ouvi-lo narrar aos camponeses a história mítica de Tristão e Isolda convence-se da existência no mundo de um filtro mágico capaz de mudar o coração empedernido da sua amada. Temendo a rivalidade de Belcore, um militar acabado de chegar à aldeia, por quem Adina se mostra encantada e disposta a casar, aproxima-se de Dulcamara, um charlatão também ali acabado de chegar, que, surpreendido com improvável inocência de Nemorino, lhe vende como "a poção mágica do amor" uma garrafa de vinho de Bourbon.
A festa de casamento está prestes a começar. Nemorino, desesperado, alista-se no regimento de Belcore para ganhar mais dinheiro para comprar mais poção mágica.
Nemorino não sabe que herdou uma grande fortuna, e que pela anunciada morte do seu tio já toda a aldeia sabe. A raparigas do lugar, conduzidas por Gianetta, perseguem-no. Nemorino, ao vê-las, convence-se da fiabilidade da poção mágica. Por fim, Adina, tomando conhecimento de tudo, consciente que Nemorino não lhe é indiferente, desfaz o acordo com Belcore, resgata-lhe a liberdade como homem civil e confessa-lhe o seu amor.
Enrico Caruso, 1911