Arias
Duos...
Óperas
Cantatas
Compositoras
Switch to English

Ária: Quanto è bella, quanto è cara

Compositor: Donizetti Gaetano

Ópera: L'elisir d'amore

Papel: Nemorino (Tenor)

Descarga música impresa gratis: "Quanto è bella, quanto è cara" PDF
NEMORINO
osservando Adina che legge
Quanto è bella, quanto è cara!
Più la vedo e più mi piace ...
Ma in quel cor non son capace
Lieve affetto d'inspirar.
Essa legge, studia, impara ...
Non vi ha cosa ad essa ignota ...
Io son sempre un idïota,
Io non so che sospirar.
Chi la mente mi rischiara?
Chi m'insegna a farmi amar?
Se ai voti di quest'alma... Affrettati vola momento beato. Fernando. Il furioso all'isola di San Domingo. DonizettiAlma soave e cara. Riccardo. Maria di Rohan. DonizettiD'un alma troppo fervida. Poliuto. Poliuto. DonizettiDalle piume in cui giacea. Fernando. Il furioso all'isola di San Domingo. DonizettiQuel tuo sorriso altero. Roberto Geraldini. Torquato Tasso. DonizettiQuando il cor da lei piagato... A te, divina immagine. Riccardo. Maria di Rohan. DonizettiAh! rimiro il bel sembiante. Leicester. Maria Stuarda. DonizettiIo ti veggio, or vegli e tremi... Questa è l'ora. Fernando. Marino Faliero. DonizettiE fia ver?. Daniele. Betly. DonizettiCercherò lontana terra. Ernesto. Don Pasquale. Donizetti
Wikipedia
L'elisir d'amore é uma ópera-bufa em dois atos de Gaetano Donizetti com libreto de Felice Romani. Estreou no Teatro della Canobbiana de Milão, Itália em 12 de maio de 1832. A obra foi criada em duas semanas, sendo uma semana para a poesia e outra para a música, a pedido do gerente do teatro, que precisava de uma peça com urgência após o compositor originalmente contratado não ter entregue a obra prometida.
A ópera passa-se numa pequena aldeia vasca no final do século XVIII.
Nemorino, está apaixonado por Adina, mas esta não lhe dá crédito. Ao ouvi-lo narrar aos camponeses a história mítica de Tristão e Isolda convence-se da existência no mundo de um filtro mágico capaz de mudar o coração empedernido da sua amada. Temendo a rivalidade de Belcore, um militar acabado de chegar à aldeia, por quem Adina se mostra encantada e disposta a casar, aproxima-se de Dulcamara, um charlatão também ali acabado de chegar, que, surpreendido com improvável inocência de Nemorino, lhe vende como "a poção mágica do amor" uma garrafa de vinho de Bourbon.
A festa de casamento está prestes a começar. Nemorino, desesperado, alista-se no regimento de Belcore para ganhar mais dinheiro para comprar mais poção mágica.
Nemorino não sabe que herdou uma grande fortuna, e que pela anunciada morte do seu tio já toda a aldeia sabe. A raparigas do lugar, conduzidas por Gianetta, perseguem-no. Nemorino, ao vê-las, convence-se da fiabilidade da poção mágica. Por fim, Adina, tomando conhecimento de tudo, consciente que Nemorino não lhe é indiferente, desfaz o acordo com Belcore, resgata-lhe a liberdade como homem civil e confessa-lhe o seu amor.
Enrico Caruso, 1911