Arias
Duos...
Óperas
Cantatas
Compositoras
Switch to English

Ária: Nobles seigneurs, salut!

Compositor: Meyerbeer Giacomo

Ópera: Les Huguenots

Papel: (Soprano)

Descarga música impresa gratis: "Nobles seigneurs, salut!" PDF
Nobles seigneurs, salut!
Seigneurs, salut!
Une dame noble et sage,
dont les rois seraient jaloux,
ma chargé de ce message,
chevaliers, pour lun de vous.
Sans quon la nomme,
honneur ici
au gentilhomme
quelle a choisi!
Vous pouvez croire
que nul seigneur
neut tant de gloire
ni de bonheur.
Ne craignez mensonge ou piège,
chevaliers, dans mes discours.
Or, salut! que Dieu protège
vos combats, vos amours!
Or, salut, chevaliers!
Dieu protège vos amours!
Robert, toi que j'aime (Roberto, o tu che adoro). Isabelle. Robert le diable. MeyerbeerChi il bel sogno di Doretta?. Magda. La rondine. PucciniNò, non piangete, pupille belle. Timante. Floridante. HändelFurie terribili! Circondatemi. Armida. Rinaldo. HändelTutto or morte, oh Dio!... Fra due tombe fra due spettri. Elena. Marino Faliero. DonizettiCome innocente giovane…Non v'ha sguardo. Anna Bolena. Anna Bolena. DonizettiAl dolce guidami castel natio. Anna Bolena. Anna Bolena. DonizettiSì, m'appaga, sì, m'alletta quella vaga collinetta. Achille. Deidamia. HändelParle-moi d'elle. Mazet?. La colombe. GounodEinsam in trüben Tagen (Elsa's Dream). Elsa of Brabant. Lohengrin. Wagner
Wikipedia
Les Huguenots ("Os Huguenotes", em francês) é uma ópera do compositor alemão Giacomo Meyerbeer, com libreto de Eugène Scribe e Émile Deschamps. Teve a sua estréia mundial em Paris em 1836. Devido ao assunto da ópera, às vezes ela foi apresentada com títulos diferentes, tais como Os Guelfos e os Gibelinos ou Os Anglicanos e os Puritanos, dependendo do lugar da performance, para evitar tensões religiosas inflamadas nas plateias.
Durante o século XIX e no início do século XX, Les Huguenots era muito popular. Estreada mundialmente em 1836, foi apresentada mais de 1000 vezes na Opéra de Paris até 1903, mas como o resto das óperas de Meyerbeer perdeu a preferência no início do século XX e não faz mais parte do repertório operístico padrão. Todavia, há várias gravações completas existentes, incluindo uma famosa gravação pirata do Teatro alla Scala com Franco Corelli e Joan Sutherland. Nos últimos anos, a ópera tem sido eventualmente apresentada em forma de concerto, e revivida por companhias europeias, mais recentemente por três apresentações em novembro de 1999 em Bilbau. Além disso, uma peça instrumental desta ópera é tocada pelas Massed Bands da Household Division do exército britânico durante a cerimônia anual Trooping the Colour em junho.
Os cantores Dame Joan Sutherland e Richard Bonynge foram a maior força de influência na ressurreição desta ópera na segunda metade do século XX. Sutherland escolheu esta ópera para sua última performance no Sydney Opera House em 2 de Outubro de 1990, com Bonynge regendo a Opera da Austrália. Esta rica produção é especialmente memorável por causa das emoções em torno da despedida da diva - termina com talvez a mais longa ovação jamais vista naquele teatro. Está disponível em DVD da Australian Broadcasting Corporation.
Um motivo para a falta de reviver esta ópera é a grande dificuldade em selecionar o elenco para esta obra. Les Huguenots tem sete papéis principais—dois sopranos, um contralto, dois barítonos, um tenor, e um baixo. E ainda, o papel de tenor, Raoul, é um dos mais exigentes de todas as óperas. Ele fica no palco por longas partes de todos os cinco atos e a música deste papel é cheia de notas agudas extremamente difíceis.
O enredo da ópera culmina com a histórica Noite de São Bartolomeu em 1572 na qual milhares de huguenotes franceses (protestantes) foram chacinados pelos católicos em um esforço de limpar a França de influência protestante. Embora os eventos do massacre sejam mostrados com relativa acuidade na ópera, o resto do enredo, primariamente relacionado ao amor entre a católica Valentine e o protestante Raoul, é criação de Scribe, o libretista.