Arias
Duos...
Óperas
Cantatas
Compositoras
Switch to English

Ária: Dir töne Lob!

Compositor: Wagner Richard

Ópera: Tannhäuser und der Sängerkrieg aus Wartburg

Papel: Heinrich Tannhäuser (Tenor)

Descarga música impresa gratis: "Dir töne Lob!" PDF
Morgenlich leuchtend im rosigen Schein (Walter's Prize Song). Walter von Stolzing. Die Meistersinger von Nürnberg. WagnerWo find ich Dich. Arindal. Die Feen. WagnerIn fernem Land. Lohengrin. Lohengrin. WagnerSchumacherei und Poeterei. David. Die Meistersinger von Nürnberg. WagnerDu kennest jenen stillen Ort (O, eile, Freund). Claudio. Das Liebesverbot. WagnerFriedmund darf ich nicht heißen. Siegmund. Die Walküre. WagnerMein Kurwenal, du trauter Freund. Tristan. Tristan und Isolde. WagnerMime hiess ein mürrischer Zwerg. Siegfried. Götterdämmerung. WagnerMit Gewitter und Sturm. The Steersman. Der fliegende Holländer. WagnerAtmest du nicht mit mir die süssen Düfte. Lohengrin. Lohengrin. Wagner
Wikipedia
Tannhäuser und der Sängerkrieg aus Wartburg (Tannhäuser e o torneio de trovadores de Wartburg, em alemão) é uma ópera em três atos com a música de Richard Wagner, e com o libreto do próprio compositor. Estreou no ano de 1845 no Königliches Hoftheater, na cidade Dresden, na Alemanha, e tinha como título original "Der Venusberg".
Tannhäuser (também conhecido como O Concurso de Canto de Wartburg) é uma ópera de 3 actos com libreto do próprio Wagner que nos fala da redenção pelo amor. Tal como em Der fliegende Holländer, o sacrifício feminino espia os pecados masculinos. O Dilema ainda actual, entre o amor profano, carnal e o amor casto associado ao casamento, é uma questão central. Na abertura do Tannhäuser, Wagner conta toda a ópera, apresentando os seus vários motivos musicais, numa cadência cinematográfica de banda sonora colossal.
A ação decorre ao pé de Wartburg, terra de grandes cavaleiros trovadores, onde se realizavam pacíficos concursos de canto, no século XIII.
Reza a lenda que ao pé de Wartburg existia o monte de Vénus onde a bela deusa atraía e mantinha cativos no puro deleite, os cavaleiros trovadores. Tannhäuser caiu na quentes garras de Vénus. A ópera começa num grande bacanal. Tannhäuser saciado, quer voltar a casa, respirar ar puro, ouvir os sinos da igreja. Canta à deusa para o deixar partir. Vénus insiste para ele permanecer com ela, usando todos os seus encantos, mas Tannhäuser evoca a virgem Maria e por artes mágicas todo o monte de Vénus se desvanece e Tannhäuser, encontra-se aos pés de uma cruz, no vale de Wartburg . Ouve-se o canto de um jovem pastor. Perigrinos passam a caminho de Roma. Sonha juntar-se a eles. Nisto, surgem da caça vários cavaleiros trovadores os seus amigos de longa data que o reconhecem e o convencem a voltar a Wartburg. Wolfram explica-lhe que a bela Elisabeth, a sobrinha do Conde de Thüringen, que Tannhäuser amara outrora, desde a sua partida, ficou tomada de uma grande tristeza.
Elisabeth está radiante com o regresso de Tannhäuser e saúda a sala que acolheu os seus sucessos passados na famosa ária “Dich teure Halle”. Ele entra acompanhado de Wolfram. Elisabeth pergunta-lhe onde esteve. Tannhäuser confessa-lhe que voltou graças à sua imagem. Exprimem o seu amor num dueto.
O dia do torneio chegou, o conde de Thünringen e Elisabeth recebem os convidados. O conde anuncia que o tema do torneio é o despertar do amor e convencido da futura vitória de Tannhäuser, oferece a mão de Elisabeth ao vencedor. Tiram à sorte e calha a Wolfram iniciar, louvando a pureza do amor. Tannhäuser responde louvando o amor dos sentidos. todos os restantes concorrentes vêm reforçar o louvor ao amor puro, Tannhäuser responde-lhes provocador, que se querem conhecer o verdadeiro amor, têm de conhecer o amor carnal e irem ao monte de Vénus experimentar. Horrorizados por esta blasfémia tentam castigar Tannhäuser, mas Elisabeth protege-o. Tannhäuser parte com os perigrinos para Roma, na tentiva de obter o perdão do Papa. Elisabeth espera por ele. Nos últimos peregrinos vindos de Roma, não o encontra. Wolfram que sempre a amou adivinha a sua morte na sublime ária “O Du mein holder Abendstern”. Elisabeth morre quando Tannhäuser regressa. Vénus surge a Tannhäuser apelando-a a voltar à sua caverna. Wolfram mostra-lhe que o cortejo fúnebre que se avizinha é o de Elizabeth. Tannhäuser corre para o cortejo e sucumbe em cima da figura da sua amada, dizendo “querida Elisabeth reza por mim.
Tannhäuser é uma das poucas óperas convencionais de Wagner (com árias, recitativos, duetos, coros, etc.). Podem ser citadas como famosas as seguintes passagens: