Arias
Duos...
Óperas
Cantatas
Compositoras
Switch to English

Alessandro Scarlatti

Óperas:

Cain, overo Il primo omicidioCambiseCarlo re d'AllemagnaComodo AntoninoGiuditta, R.500.9GriseldaIl martirio di S. TeodosiaIl PompeoIl prigioniero fortunato, R.346.36Il trionfo della gratia, R.499.6Il trionfo della libertàL’Anacreonte tiranno, R.338.14La caduta de’ DecemviriLa Didone delirante, R.344.30La donna ancora è fedeleLa Rosmene, R.337.11La Statira, R.339.17L'amor volubile e tirannoL'Emireno, R.345.32L'EracleaMassimo Puppieno, R.343.27Mutio Scevola, R.346.34Nerone fatto Cesare, R.343.26OdoardoOratorio per la Passione di Nostro Signore Gesù CristoPenelope la casta, R.344.28Pirro e Demetrio, R.342.23TelemacoTiberio imperatore d'Oriente, R.349.44Tigrane

Cantatas:

12 Cantatas, I-Nc Cantate 26317 Cantatas, F-Pn RES VMC MS-6817 Cantatas, US-AAu №1283A chi t'inganna bella tiranna, H.2A piè d'un verde colle, H.4A te, Lisa gentile, H.8A voi che l'accendeste, H.9Ad altr'uso serbate, H.12Agitato sen cade, H.14Ah ben lo vedi o core, H.15Ahi che sarà di me, H.19Al fin diviene amante, H.20Al fin m'ucciderete, H.21Al fine, o Clori amata, H.22Al mare, al bosco, al rio, H.23Al mormorio d'un vago ruscelletto, H.24Al seren di sì bel giorno, H.27Al voler del bene amato, H.28Alle Troiane antenne, H.30Allor ch'il Dio di Delo, H.31Alme voi che provaste, H.35Amante contento, H.733Amo e godo d'amare, H.41Amo, peno e languisco, H.44Amo, peno, gioisco, H.45Amor, fabro ingegnoso di catene, H.48Amor, Mitilde è morta, H.49Amor, tu che si bella, H.51Andate, o miei sospiri, H.53Andate, o miei sospiri, H.54Api industri che volate, H.55Appena chiudo gl’occhi, H.56Arder per due pupille, H.59Ardo d'amore e impatiente, H.60Ardo, è ver, per te d'amore, H.62Augellin, sospendi i vanni, H.67Aure io son di voi geloso, H.70Bei prati, freschi rivi, H.72Bei prati, verdi colli, H.73Bella rosa adorata, H.78Bella, per te d’amore, H.76Belle faci del cieloBenché o sirena bella, H.83Benché vezzosa Irene, H.85Care selve gradite, H.91Caro laccio, dolce nodo, H.94Ch’io scopri il mio affettoChe fai, mio cor, H.101Che pretendi, o tiranna, H.106Che Sisifo infelice, H.108Chi vedesse la ferita, H.113Ch'io ti manchi di fede, H.100Chiudea presso d'un fonte, H.115Chiudetevi per sempre, H.116Chiusa, tra fosche bende, H.117Cinta dei più bei fiori, H.118Clori bell'idol mio, H.125Clori mia, Clori bella, H.129Clori mia, H.130Clori superba, e come mai, H.133Clori vezzosa e bella, H.134Clori, io tacqui a bastanza, H.126Clorinda è bella, H.135Come volubil gira la ruota, H.140Con trasparente velo, H.143Correa nel seno amato, H.146Cruda Irene superba, H.133Crudelissimo Amore, H.150Crudo Amor, saper vorreiDa che Tirsi mirai, H.155Da quell'ora fatale, H.159Da sventura a sventura, H.161Dal bel volto d'Irene, H.165Dal crudele Daliso, H.167Dal dì ch’Amor m’accese, H.168Dal dì che l'empio fato, H.169Dalla nativa sfera scese, H.175Dalla speme deluso, H.176Deh torna amico sonno, H.181Del faretrato nume amor tiranno, H.182Del Tebro in su le sponde, H.185Del Tirreno a le sponde, H.186Del Tirreno sul lido, H.187Della spietata Irene, H.188Di che havete pauraDi cipresso funesto, H.192Di dolor in dolor, di pena in penaDimmi Clori superba, H.198Dimmi, mio ben, perchèDisperatione amorosa, H.201Dispettoso pensieroDorisbe, i miei lamenti, H.205Dormono l'aure estive, H.206Dov’è Filli, dov’è, H.207Dove alfin mi traeste, H.209Dove fuggi, o bella Clori, H.210Dove fuggo, a che penso, H.212Dove una quercia annosa, H.214Dunque ingrato spergiuro, H.217E fia pur veroÈ la speme un desio tormentoso, H.227È penar degg'io ancora, H.229E pur odo e non moroE pur tenti il ritorno, H.232E pur vuole il cielo e amore, H.233E quando ingrata Nice, H.235Ebra d'amor fuggiaEcco ch'a voi ritorno, H.243Entro romito speco, H.246Era un giorno filenoEurilla, amata Eurilla, H.252Farfalla che s'aggira, H.256Fatto d'amor seguace, H.258Fiamma ch’avvampa, H.260Fida compagna, del tuo alato amante, H.261Fiero acerbo destin, H.262Filen, mio caro bene, H.263Fileno, ove t'en vai, H.265Fille, dolente Fille, H.268Fille, tu parti, oh Dio, H.270Filli adorata e cara, Filli che fosti, H.272Filli adorata e cara, io parto, H.273Filli altera e spietata, H.274Filli che del mio coreFilli mia, Filli cara, H.282Filli mia, tu mi consoli, H.283Filli, la tua bellezzaFiumicel cui l’onde chiareFlagellava nel cielo, H.287Fonte d'ogni dolcezza, H.288Fra liete danze, H.291Già di trionfi onusto, H.297Già l’alba luminosaGià sul carro dorato, H.300Già vicina è quell'ora, H.301Ho una pena intorno al core, H.308Il cor che vive oppresso, H.312Il fulgido splendor d'un ciglio arciero, H.313Il genio di Mitilde, H.314Il mio sol non è più meco, H.315Il rosignolo se scioglie il volo, H.318Il rosignuoloImagini d’orroreIn bel sonno profondo, H.322In che giammai t’offesi, H.323In due vaghe pupille, H.324In solitaria soglia, H.328Infelice mio core, giunse alfin, H.331Ingiustissimo Amor, tu che sovvente, H.333Io che ad un tronco, H.335Io che dal cor di Fille, H.337Io morirei contentoIo piango e tu non m’odiIo son pur solo, H.344Irene, idolo mio, in questo a me, H.348Là dove a Mergellina, H.356La grazia, la sembianza, H.361Là nel bel sen della regal sirenaLa vezzosa CelindaLangue Clori vezzosa, H.367Lascia di tormentarmi, Amor tiranno, H.370Lascia omai di tormentarmi, o memoria, H.371Lasciate ch'io v'adori, H.375Lasciato havea l’adultero superbo, H.377Lidio, invan mi condanni, H.382Liete, placide e belle acque, H.383Lontan dalla sua Clori, H.390Luci care al mondo sole, H.400Lungi dalla cagion, H.407Mentre affidan al mar di Cupido, H.441Mentre Eurillo fedele, H.416Mesto, lasso e ramingo, H.422Mi nasce un sospetto, H.424Mi tormenta il pensiero, H.426Mia Climene adorata se mai occhio, H.430Mitilde, alma mia, se udiste mai, H.437Morirei disperato se credessi, H.443Ne’ tuoi lumi, o bella Clori, H.446Nel centro oscuro di spelonca, H.448Nel dolce tempo, H.449Nel mar che bagna, H.450Nel silentio communeNella febre d'Amor mi struggoNella stagion, che di viole e roseNon è facile ad un core, H.470Non hà un giorno di contentoNotte cara, ombre beate, H.479O che mostro, o che furia, H.482O de’ pastori diletto stuolo, H.486O pace del mio cor, H.495O penosa lontananza, H.497O sol degl'occhi miei, H.498O voi di queste selve abitatrici, H.501Oh Dio, che viene amore, H.490Ombre tacite e soleOr che a me ritornasti, H.509Or che lungi son io, H.517Or che spunta nel pratoPeno e del mio penar, H.531Penso che non ho core, H.535Per formare la bella ch'adoro, H.538Per saettar un seno, H.542Per tormentarmi il corePer un momento solo, H.546Per un vago desire, H.547Perché mai luci amorose, H.549Perchè sospiri o Niso, H.550Perchè tacete, regolati concenti, H.551Perdono, Amor, perdono, H.554Perfida Filli ingrata, H.555Piagge fiorite e amene, H.557Piagge fiorite, ameni prati, H.556Piangi la lontananza della sua donna, H.535Piante amiche, erbette carePiù non si puole amar, H.565Più veggio Lidia mia, H.566Poi che legge fatalPoiché a Tirsi infelice, H.567Quale al gelo s'adugge, H.582Quando credeva il core, H.590Quando il fato un cor bersagliaQuando l'umide ninfe, H.591Quando mai troverò d'Amor nel regno, H.593Quanti affanni ad un core, H.599Quanto piace agl'occhi miei, H.602Quanto, o Filli, t’inganni, H.601Quel Fileno infelice, H.605Quel piacer che nell'amarti, H.607Quella que chiudo in sen fiamma amorosa, H.609Questa è la selva, H.612Questa vermiglia rosa, H.613Queste torbide e meste onde, H.614Questo silentio ombroso, H.616Qui dove a piè d’un colle, H.617Qui dove alfin m’assido, H.618Qui dove aure ed augelli, H.619Qui vieni ingrata Fille, H.621Radamisto è portento che ZenobiaRegie soglie, alte moli, H.623Risoluzione di Tirsi, H.131Ritardati momenti, egre dimore, H.624Sanno, o Filli adorata, H.629Sazio di più soffrire, H.632Scherza col onda del caro lido, H.633Scorgo il fiume e scorgo il rio, H.637Se amor con un contento, H.642Se nell'amar Coriste, H.647Se per amor quest’alma, H.648Se potessero i miei piantSì, conosco, o Mitilde, H.658Siete uniti a tormentarmi, H.661Silenzio aure volanti, H.662Solitudini amene, bersaglio d'empia sorte, H.664Solitudini care, H.665Son contento non m'amateSon io barbara donna, H.667Son quest’ultimi momenti, H.670Sono amante e m'arde il core, H.671Sovra questi fecondi ameni colli, H.682Stravagante non è l'amor, H.693Su bel seggio di fiori, H.695Su l’ora appunto che col carro d’oro, H.696Su la sponda del mareSul margine d'un rio cui facevan ricamoSul margine d'un rio, H.706Sul margine fiorito, H.708Taccio e tacendo moro, H.711Taci, infedele AmoreTemo d'amarti poco, H.716Tenebrose foreste, H.717Tiranna ingrata, che far dovrò, H.720Tirsi pastore amante, H.723Tra solitarie balzeTroppo ingrata AmarantaTu parti, idolo amato, H.739Tu parti, idolo amato, H.740Tu sei quella che al nome, H.743Tutt'acceso d'amore, H.744Una beltà ch'eguale, H.754Và pur lungi da me, H.755Vaghe selve beateVago il ciel non saria, H.760Vedi, Fille, quel sasso, H.762Veggio l'idolo mio, H.763Venne ad Amor desio, H.765Ver per un diletto, H.766Vo narrando a quel ruscello, H.771Voi che dell’alma mia havete il vanto, H.773Voi giungeste o vaghi fiori, H.775Vorrei, Filli adorata, H.778Vuoi più, Filli crudele, H.781Zeffiretto che indrizzi il tuo volo, H.783
Wikipedia
Alessandro Scarlatti (Palermo, 2 de maio de 1660 — Nápoles, 24 de outubro de 1725), cujo nome verdadeiro era Pietro Alessandro Gaspari, foi um compositor italiano de grande importância para a música lírica do período barroco. Seu trabalho foi fundamental para o desenvolvimento da ópera séria e da ópera bufa do seu tempo. Ele é considerado o pai da escola napolitana de ópera, a qual contou, mais tarde, com membros como Leonardo Leo, Francesco Feo, Leonardo Vinci, Giovanni Battista Pergolesi e Johann Adolf Hasse, entre outros.
Dentre as obras de sucesso de Scarlatti merecem destaque as óperas Carlo, Re d'Allemagna (1716), Telemaco (1718) e La Griselda (1721). Além das óperas, Alessandro Scarlatti também ficou famoso por suas cantatas de câmara. Foi pai de dois outros compositores, Domenico Scarlatti (1685-1757) e Pietro Filippo Scarlatti (1679-1750), e irmão mais velho de Francesco Scarlatti (1666-1741), também compositor, ainda que de menor expressão em comparação com Alessandro e Domenico.
As óperas de Alessandro Scarlatti são dotadas de alto nível musical e influenciaram compositores dos mais variados países. Do ponto de vista da ação dramática, porém, ficam a dever para as composições de autores que o sucederam, como Händel, Hasse e Vivaldi. As aberturas das óperas de Alessandro Scarlatti, chamadas sinfonias, consistiam geralmente de três movimentos: rápido, lento e rápido. Essa forma se tornou de grande importância na criação posterior da sinfonia clássica para orquestra.
Alessandro Scarlatti foi um compositor de extraordinário talento criativo. Sua obra compreende nada menos que 115 óperas, 150 oratórios e mais de 500 cantatas, além de composições instrumentais. A música de Scarlatti forma um importante elo entre a música vocal do início do barroco italiano do século XVII, centrada em Florença, Veneza e Roma, e a escola clássica do século XVIII, que culmina em Haydn (1732-1809) e Mozart (1756-1791).
Scarlatti nasceu na Sicília, em Trapani ou Palermo. Ainda muito jovem, no ano de 1672, foi enviado para viver com parentes em Roma. Nesta cidade, parece ter tido contado com Giacomo Carissimi (1605-1674) e há razões para crer que ele tenha tido conexões com a parte nordeste da Itália, uma vez que seus primeiros trabalhos revelam a influência de Stradella (1639-1682) e Legrenzi (1626-1690). O primeiro registro de seu trabalho como autor em Roma se refere a uma encomenda da Arquiconfraria do Santíssimo Crucifixo, que solicitou de Scarlatti um oratório em 1679.
O sucesso que sua ópera Gli Equivoci nell’amore (1679) alcançou em Roma contribuiu de forma decisiva para que Scarlatti ganhasse a proteção da Rainha Cristina da Suécia (1626-1689). Cristina vivia na cidade à época depois de ter abdicado e se convertido ao catolicismo e fez de Scarlatti seu maestro di cappella. No mesmo ano, deu-se a estreia de seu primeiro oratório na Arquifraternidade do Santíssimo Crucifixo e nasceu seu filho mais velho, Pietro Filippo.
Graças ao posto que ocupava junto à rainha Cristina, a obra de Scarlatti pôde ser admirada por um círculo requintado de ouvintes em Roma, fato que contribuiu diretamente para a rápida ascensão do autor, sobretudo no campo da música vocal.
Em fevereiro de 1684, Scarlatti foi contratado pelo ex-embaixador espanhol no Vaticano, Gaspar de Haro y Guzmán (1629-1687), o qual havia sido nomeado Vice-Rei de Nápoles, tornando-se seu maestro di cappella. Em parte, essa nomeação se deu graças à influência de uma irmã de Alessandro, uma cantora de ópera amante de um nobre napolitano influente. Um ano depois de assumir o novo posto, nasceu o sexto filho de Alessandro, Domenico, cujos méritos como tecladista o tornariam célebre.
Alessandro permaneceu nessa posição até 1702 e produziu cerca de 80 óperas, das quais sobreviveram cerca de 40. Compôs ainda nove oratórios, sete serenatas e 65 cantatas. dessa fase foram, por diversas vezes, representadas em Roma, para onde se dirigia para acompanhar a produção, além de outros centros importantes como Florença, Milão, Londres e Brunswick. Foi nesse período que Scarlatti firmou alguns dos pilares da ópera de seu tempo que estiveram em vigor até a grande revolução mozartiana. Dentre esses elementos vale citar a abertura em estilo italiano (rápido-lento-rápido), os recitativos acompanhados e a ária da capo (no formato A-B-A, ver adiante).
Scarlatti deixou Nápoles em boa medida por conta dos reflexos da Guerra de Sucessão Espanhola (1701-1713) que se fizeram sentir na corte do Vice Rei. O músico tentou, em primeiro lugar, um posto na corte de Florença, junto a Ferdinando de Medici, filho do Grão-Duque da Toscana, mas sem sucesso.
Sem conseguir o posto em Florença, Scarlatti se dirigiu novamente a Roma onde, em 1703, tornou-se vice maestro di cappella na igreja de Santa Maria Maggiore graças à influência do cardeal Pietro Ottoboni (1667-1740) que já o havia contratado no ano anterior. Durante essa nova estada em Roma, Scarlatti se tornou um requisitado compositor de cantatas, tendo recebido encomendas dos Medici e da rainha Maria da Polônia. Em 1706, Scarlatti é admitido na Academia de la Arcadia, cujo acesso estava restrito a nobres e eruditos. Durante essa estada em Roma, travou contato próximo com outro expoente da música barroca, o compositor e violinista Arcangelo Corelli (1653-1713).
Entre os anos de 1707 e 1708, Scarlatti não compôs óperas, mas recebeu encomendas importantes como um ciclo de responsórios para a Semana Santa para a corte dos Medici e a célebre Cantata per la Notte di Natale, interpretada na corte papal. Também em 1707, visita Veneza e Urbino. Em 1708, Scarlatti compõe dois oratórios com textos do cardeal Ottoboni: Il Martirio di Santa Cecilia e o Oratorio per la Passione di nostro Signor Gesu Cristo. Essas obras fizeram parte do ciclo de oito oratórios que o cardeal havia organizado para o período da Quaresma. O segundo desses oratórios, com o subtítulo de La Colpa, Il Pentimento, la Grazia é considerado uma de suas maiores obras no gênero e foi representado no Palácio da Chancelaria, da Santa Sé. É possível que Scarlatti tenha composto essa obra-prima no contexto de sua rivalidade com o jovem Händel (1685-1759) que se encontrava na Itália na mesma época e cujo oratório La Resurrezione foi apresentado no Domingo de Páscoa seguinte no palácio Ruspoli, em Roma.
Ainda em 1708, Scarlatti escreve uma carta a Ferdinando de Medici queixando-se da falta de um posto fixo e de seus rendimentos insuficientes. Tais condições supostamente explicam que tenha se retirado de Roma naquele mesmo ano, voltando a Nápoles.
Scarlatti retomou seu posto de maestro di capella da corte Nápoles em 1708, quando os austríacos substituíram os espanhóis no comando do país. Foi decisiva para esse retorno a influência do novo vice-rei, o cardeal Vincenzo Grimani (1652-1710), admirador de Scarlatti e autor do libreto da ópera Agrippina, de Händel (1709). Grimani havia conhecido os dois compositores quando ocupava o posto de embaixador do Império Austríaco junto à corte papal em Roma. O contado Scalatti com Roma permaneceu vivo mesmo após o retorno a Nápoles e o papa lhe concedeu privilégios de nobreza em 1716. Em Nápoles, porém, seguiram-se diversos fracassos no campo operístico. A cidade parecia ter se cansado de sua música. Sua ópera cômica Il trionfo dell'onore (1718) não foi bem recebida pelo público da cidade. Melhor acolhida tiveram suas obras cômicas em dialeto napolitano que começavam a entrar em moda nessa época.
Os romanos, entretanto, o apreciaram ainda mais e foi no Teatro Capranica, em Roma, que ele produziu algumas de suas melhores óperas dessa fase como Telemaco (1718) e Marco Attilio Regolò (1719). Sua última ópera, La Griselda (1721), foi apresentada também no Teatro Capranica, sob o patrocínio do príncipe Francesco Ruspoli (1672-1731). Data do mesmo ano uma missa para coro e orquestra, composta em honra a Santa Cecília sob encomenda do cardeal Troiano Acquaviva (1696-1747). Desde então, a obra de Scarlatti começou a cair no esquecimento e seu estilo passou a ser eclipsado pela nova geração de compositores líricos que emergia, incluindo nomes como Leonardo Leo (1694-1744), Leonardo Vinci (1690?-1730), Johann Adolf Hasse (1699-1783) e Giovanni Battista Pergolesi (1710-1736).
Durante seus últimos anos de vida em Nápoles, Scarlatti recebeu e ensinou diversos dos nomes daquela nova geração, incluindo o compositor lírico Hasse e flautista Johann Joachim Quantz (1697-1773). Datam desse período suas sete sonatas para flauta e cordas. Scarlatti morreu em Nápoles em 24 de outubro de 1725).
A música de Alessandro Scarlatti é um elo importante entre os estilos vocais do início do barroco italiano do século XVII, cujo centro foram as cidades de Florença, Veneza e Roma, e a escola clásica cujo apogeu se dá nas obras mais tardias de Mozart (1756-1791). Suas primeiras óperas mantêm as antigas cadências nos recitativos e uma variedade considerável de formas construídas de maneira cristalina em suas charmosas pequenas árias, algumas vezes acompanhadas pelo quarteto de cordas e tratadas com cuidadosa elaboração e, outras vezes vezes, acompanhadas apenas pelo cravo.
Datam desse período, que se estende até por volta de 1685, obras como Gli Equivoci nel Sembiante (1679), L’Honestà negli Amori (1680), que contém a famosa ária "Già il sole dal Gange", Pompeo (1683), que contém as bem conhecidas árias "O cessate di piagarmi" e "Toglietemi la vita ancor".
Por volta de 1686 Scarlatti criou definitivamente a forma abertura italiana (segunda versão de Dal Male il Bene), e abandonou o ostinato e a ária na forma binária (com estrutura do tipo A-B) em favor da chamada ária da capo (com sua estrutura A-B-A). Suas melhores óperas desse período são La Rosaura (1690) e Pirro e Demetrio (1694), que possui as árias Rugiadose, odorose, e Ben ti sta, traditor.
A partir de 1697 com a obra La Caduta del Decemviri, talvez parcialmente influenciada pelo estilo de Giovanni Bononcini e provavelmente mais moldadas ao gosto da corte do Vice-Rei, suas árias se tornaram mais convencionais e mais ritmicamente comuns, ao mesmo tempo que sua orquestração passou a ser mais apressada e crua, embora não sem brilhantismo como em Eracles (1700). Scarlatti também passou a usar com freqüência os oboés e os trompetes com os violinos tocando em uníssono. As óperas compostas nessa época para corte de dos Medici foram perdidas. Essas obras poderiam ter dado uma ideia mais favorável de seu estilo da época, já que sua correspondência com o príncipe mostra que foram criadas com um sincero senso de inspiração.
Mitridate Eupatore, considerada sua obra prima, composta para Veneza em 1707, contém música muito à frente de qualquer coisa que Scarlatti tenha escrito para Nápoles, tanto técnica como intelectualmente falando. As últimas óperas napolitanas (L'Amor Volubile e Tiranno (1700), La Principessa Fedele (1712), Tigrane (1715) são pomposas e eficientes ao invés de profundamente emocionais. A orquestração revela grande avanço em relação aos trabalhos anteriores já que o principal acompanhamento da voz é deixado a cargo do quarteto de cordas. O cravo é reservado exclusivamente para os ruidosos ritornelli. Vale notar que Scarlatti criou o ritornello orquestral em sua ópera Teodora, de 1697.
Seu último conjunto de óperas, composto para Roma, mostra um profundo sentimento poético, um estilo amplo e nobre, um forte senso dramático, especialmente nos recitativos acompanhados, um recurso que ele próprio foi o primeiro a utilizar já em 1686 (Olimpia Vendicata) e um estilo de orquestração muito mais moderno, com as trompas aparecendo pela primeira vez e sendo tratadas de modo a produzir um efeito eletrizante.
Além das óperas, oratórios e serenatas, todos exibindo um estilo semelhante, Scarlatti compôs mais de 500 cantatas de câmara para voz-solo. Estas representam o tipo de música de câmara mais intelectualizado de seu período e lamenta-se que praticamente todas tenham sido mantidas na forma de manuscrito e não divulgadas amplamente, já que seu estudo é indispensável para quem deseja ter uma ideia adequada da evolução da técnica de composição de Scarlatti.
As poucas missas restantes e outras músicas sacras de sua autoria são comparativamente pouco importantes, com exceção da grande Missa de Santa Cecília que foi uma das primeiras tentativas no estilo que atingiu seu ponto máximo nas Missas de J. S. Bach e Beethoven. Sua música instrumental, embora não sem interesse, é curiosamente antiquada quando comparada à sua obra vocal.