Arias
Duos...
Óperas
Cantatas
Compositoras
Switch to English

Mireille

Compositor: Gounod Charles

Arias (partituras para voz e piano):

Andreloun (Meio)

Le jour se lève

Mireille (Soprano)

Allons, me voilà reposéeHeureux petit bergerLa brise est douceMon coeur ne peut changerO légère hirondelleTrahir Vincent!

Ourrias (Barítono)

Si les filles d'Arles

Taven (Meio)

Voici la saison, mignonne

Vincent (Tenor)

Anges du paradisMon coeur est plein d'un noir souci

Partituras

"Mireille" PDF 7Mb "Mireille" PDF 15Mb "Mireille" PDF 33Mb
Cavatine: 'A vos pieds, hélas' (Act II). Complete Score (E minor) PDF 0MbChanson de Magali: 'La brise est douce' (Act II). Complete Score (G major, high voice) PDF 0Mb

Partituras para orquestra

Overture. PDF 3Mb
Vincenette a votre age (Vincent, Mireille)O légère hirondelle. MireilleChantez, chantez, magnanarelles (Taven, Mireille)OvertureLe ciel rayonne (Mireille)Voici la saison, mignonne. TavenSi les filles d'Arles. OurriasMon coeur ne peut changer. MireilleTrahir Vincent!. MireilleLa brise est douce. MireilleA vos pieds hélas me voila (Mireille)La farandole, joyeuse et folleEh bien! que Mireille commence (Vincent)Places! place aux coureursEh bien! Mireille (Taven, Mireille)Que je'épouse (Mireille, Taven)Ourrias! Pourquoi fuir si vite (Mireille, Ourrias)Un pere parle en pere (Maître Ramon, Mireille, Vincent, Maître Ambroise, Ourrias, Vincenette)Adieu, permettez-moi de fuir (Mireille, Ourrias, Maître Ramon, Maître Ambroise)Voici le val d'enfer (Ourrias)Ils s'eloignent (Ourrias)Tu veux donc que ma main (Ourrias, Vincent)Ah Mireille (Vincent, Taven)Ah! qu'ai-je fait? (Ourrias)Le jour se lève. AndrelounHeureux petit berger. MireilleAmis voice la moisson faite (Maître Ramon)MusetteMireille! Qui m'appelle (Mireille, Vincenette)Ah parle encore (Mireille, Vincenette)IntroductionVoici la vaste plaine (Mireille)La foi de son flambeau divin (Mireille, Vincent)Anges du paradis. VincentNous qui de haut des cieuxMon coeur est plein d'un noir souci. Vincent
Wikipedia
Charles Gounod (Paris, 17 de junho de 1818 – Saint-Cloud, 18 de outubro de 1893) foi um compositor francês famoso sobretudo por suas óperas e música religiosa.
Gounod era filho de um pintor e uma pianista. Muito jovem, entrou para o Conservatório de Paris, onde foi aluno de Jacques Fromental Halévy e Lesueur. Em 1839, compôs uma cantata (Ferdinand) e ganhou o Prix de Rome, um prêmio famoso para jovens compositores, que dava direito a uma bolsa de estudos na Itália.
Gounod foi para Roma, onde ficaria por três anos, e entrou em contato com a música polifônica do século XVI, em especial a música do compositor renascentista italiano, Giovanni Pierluigi da Palestrina. Tomado por idéias místicas (que nunca o abandonaram completamente), ele pensou em entrar para o sacerdócio, e começou a compor música religiosa.
Terminados seus estudos na Itália, ele regressou à França, mas não sem antes passar por Viena, e assumiu o cargo de organista na Igreja das Missões Estrangeiras em Paris, que ocupou por três anos. Por volta dessa época, conheceu duas mulheres, que tiveram grande influência na sua vida: uma foi a cantora Pauline Viardot, que o introduziu ao mundo da ópera, e a outra foi Fanny Hensel, que apresentou a Gounod seu irmão, o célebre compositor Felix Mendelssohn. Através de Mendelssohn, Gounod entrou em contato com a música de Bach, então pouco conhecida.
A primeira ópera de Gounod, Sapho, estreou em 1851. Várias óperas se seguiram, mas as mais importantes são Fausto (1859), Mireille (1864), Roméo et Juliette (1867) - todas as três estão entre as mais populares do repertório operístico francês.
Em 1852, Gounod se tornou regente do Orphéon Choral Society, em Paris, para o qual ele escreveu várias peças de música coral, incluindo duas missas.
Ao rebentar a Guerra Franco-Prussiana (1870), Gounod se refugiou na Inglaterra, onde permaneceu até 1875. Lá, ele adquiriu uma amante inglesa, Georgina Weldon, e sua música fez grande sucesso na Inglaterra vitoriana.
Nos últimos anos de vida, Gounod só compôs música religiosa.
Petite symphonie pour neuf instruments à vent (1885) - Interpretação do Quinteto de sopros Soni Ventorum.